Esteja perto.


Se tem uma coisa que me dói, é a distância. E não é aquele lance de distância física... Essa eu nem ligo tanto. Mas a distância afetiva... Essa dilacera. Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa... Essa frase nunca fez tanto sentido...

É difícil entrar em um relacionamento mas... Se você não tem certeza do que está sentindo, em relação a outra pessoa com consigo próprio, pra quê alimentar o sentimento do outro? Para alimentar seu ego, sabendo que tem uma pessoa ali te esperando?

É extremamente estranho receber essas migalhas - não, não é a primeira vez que isso acontece. Só é diferente pelos sinais que são dados, e que não fazem o menor sentido diante de toda a distância.

Distância. É como se não servíssemos mais ao propósito, e somos descartados... Mas não totalmente. Somos alimentados com o pior e melhor dos sentimentos: esperança. Você não deve senti-la, mas você sente. É totalmente irracional e algo que você simplesmente não controla.

E você fica ligando os sinais com outros, e chega a conclusão de que nada faz sentido. O que você sente não faz sentido, mas você continua alimentando isso sem saber o porquê. E o outro, bem... Não dá pra saber o que se passa.

Por um lado você acha que é só medo que impede a aproximação, de que os sinais servem pra te mostrar que ele está ali, apesar da distância que ele mesmo impôs a você... E que você quer acreditar que ainda existe sentimento, mesmo que essa "esperança" esteja diminuindo a cada dia. Algo ainda resiste, eu só não sei o quê. 

Share:

0 comentários