Nascida na Bahia em 1968, e trazida pra São Paulo com 2 anos de idade tem decendência nordestina, mas criou suas raízes aqui.
Única mulher de seis filhos, dona de um coração imenso. Sua primeira profissão foi de Pagem na extinta Creche localizada na Ilha Caraguatá, onde hoje está localizado o Salão Paroquial da capela do bairro.
Seu nome? Gissélia Francisca dos Santos. A mulher que uma vez me disse:"Larguei o emprego para ser mãe." 

A mulher que largou a profissão amada, para dedicar-se a outra: ser mãe por tempo integral. Foram cerca de 18 anos de cuidados extremos, aguentando choros, cólicas, chamadas na escola, notas baixas, aniversários... Ou seja, ela estava presente em todos os meus momentos... 
Uma mulher doce, delicada, meiga, carinhosa... Me falta adjetivos para falar dessa mulher incrível que eu tive o privilégio de vir ao mundo. 
Me carregou durante 9 meses dentro de si. Aguentou choros, manhas, cólicas... Enfim, aguentou todos os perrengues de ter uma filha adolescente, e o melhor de tudo: ela soube lidar com tudo.
Eu não posso pedir a melhor mãe do mundo. Eu já tenho a melhor mãe do mundo.

Mãe, eu sei que ser a minha mãe não é fácil. Eu não sou uma pessoa fácil, mas agradeço de coração aberto por ter estado do meu lado em todos os momentos -bons e ruins- da minha vida.

Obrigada.

Deixe um comentário